Se encuentra usted aquí

Esporte e Cidadania

Muito mais que medalhas na bagagem

Os Jogos Nacionais do Sesi terminaram neste domingo com saldo que vai além das muitas medalhas conquistadas. São lições que ficam entre os atletas de companheirismo, de trabalho em equipe, de amizade, de superação e de integração. Esses valores também serão passados na empresa para outros colegas. "A concentração que preciso ter em uma prova de atletismo, eu vou usar no meu dia a dia como vendedor", diz Vanderlei Rodrigues, da Tedesco, de Caxias do Sul. Vanderlei ficou em segundo lugar nos 100 metros rasos e cita a convivência como outro ponto importante que deve ser usado no trabalho.

O tricampeão de salto em altura Eduardo Vieira, da Randon, trabalha há 12 anos na empresa. Este ano, o analista de manutenção conquistou também o terceiro, em salto em distância e em revezamento 4 X 100. Ao chegar na Randon, Eduardo resolveu participar das promoções esportivas para se integrar. "Então eu comecei a gostar", explica. "O esporte é bom pra tudo, além do físico, ajuda no emocional", diz. Ele elenca o espírito de equipe, a superação de limites e a paciência como valores do esporte que valem no dia a dia da empresa.

Outro valor do esporte é a promoção da saúde, que ajuda também na redução do absenteísmo. Sirlei Maragno, de 38 anos, já gostava de jogar futsal, mas há três, quando ela foi diagnosticada como hipertensa, virou remédio. A operadora de máquinas da Voges há oito anos teve então que se dedicar. O resultado foi além de mais saúde e qualidade de vida, medalhas e viagens. Pela primeira vez no Rio de Janeiro, Sirlei já pensa em pendurar as luvas de goleira e se dedicar mais ao atletismo, especificamente ao arremesso de peso e disco, que vem se dedicando. "Muita coisa mudou. Me sinto melhor e ainda gosto de estar junto com os colegas", conta.

Mais disposição para o trabalho e melhor sono são os benefícios que a corredora Roseli Martins fala que foram proporcionados pelo esporte. Ela já participou de cinco Jogos Nacionais do Sesi e conquistou algumas medalhas, como os dois segundos lugares deste ano (400 metros e 1.500 metros). Começou a praticar esporte há quinze anos, na empresa em que trabalhava e está há quatro na montagem elétrica da Marcopolo. "Me sinto muito bem, durmo bem e procuro me alimentar de forma correta", explica. "A gente acaba sendo exemplo para os colegas".

O saldo das empresas gaúchas foram três medalhas de ouro (futsal masculino, salto em altura feminino e masculino), seis segundas colocações (natação e atletismo) e cinco terceiros (voleibol masculino, natação e atletismo). À noite, a cerimônia de encerramento foi realizada na sede da Escola de Samba Salgueiro.