Você está aqui

Confiança da indústria gaúcha segue tímida em março

A confiança do industrial gaúcho atingiu 57 pontos em março, de um total de 100, e refletiu uma moderada segurança em relação à atual conjuntura econômica e à situação das empresas, bem como ao futuro. O recuou foi de 1,2 ponto em comparação com fevereiro. O resultado do levantamento, elaborado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), foi divulgado nessa terça-feira (26).

A avaliação das condições atuais da economia e das empresas foi responsável pela desaceleração do Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS) em março. Esta variável ficou abaixo dos 50 pontos: 49,7, indicando condições inalteradas nos últimos seis meses. Em fevereiro, 25,3% dos empresários gaúchos percebiam uma piora da economia brasileira, percentual que subiu 26,4% em março. Já a proporção daqueles que observavam uma melhora caiu de 13,3% para 9,7%, nesse período. A situação atinge mais as pequenas (40,8 pontos) e médias empresas (47,5 pontos). Para as grandes, o cenário atual está positivo (53,6 pontos).

Em relação às expectativas para os próximos seis meses, os industriais gaúchos permanecem otimistas (60,6 pontos), apesar de um pouco menos do que estavam fevereiro (61,7 pontos). Quando é avaliada apenas a economia brasileira, a confiança é mais moderada (54,6 pontos), e registrou uma queda de 2,1 pontos em março, ante o mês anterior.

Elaborado mensalmente pela FIERGS, o ICEI-RS varia numa escala de 0 a 100 pontos. Quanto mais os valores estiverem acima 50 pontos significa maior confiança e quanto mais abaixo, pessimismo.

Veja mais

FIERGS 1/12/2016 às 18h39
O presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Rio Grande do Sul, Heitor José Müller, anunciou, nesta quinta-feira, o nome do sucessor para a...
Saiba mais
FIERGS 1/12/2016 às 18h21
As perspectivas do comércio internacional a partir de acordos como a Parceria Transpacífico (TPP), negociado entre Estados Unidos e 11 países do Pacífico...
Saiba mais
FIERGS 30/11/2016 às 18h53
“A redução na taxa de juros já era esperada. Entretanto, acreditamos que essa queda poderia ter sido maior.
Saiba mais