Você está aqui

Entidades posicionam defesa de interesses com ética

Buscar com ética um ambiente favorável à expansão da iniciativa privada e assumir um papel de protagonismo para prospectar e antecipar tendências que possam dar suporte aos avanços do setor industrial. Estes foram alguns dos aspectos destacados pelo presidente do Sistema FIERGS, Heitor José Müller, ao abrir nesta terça-feira (12), o Seminário Promoção e Defesa de Interesses (PDI), que prossegue até esta quinta-feira na sede da entidade. "Acompanhamos, desde a década de 90, o trabalho da CNI (Confederação Nacional da Indústria) junto ao Poder Legislativo. Trabalho este que executamos também no âmbito estadual", afirmou Müller, em discurso no evento.

Conforme o industrial, um parlamentar ou governante não tem como entender profundamente de todos os assuntos. "Uma das funções das entidades é o de colaborar, através de conteúdos técnicos, para a qualidade das decisões a serem tomadas. Tudo o que foi feito, tudo o que realizamos, tem a ética como pressuposto", explicou. "Avançamos além, talvez mais próximos da denominação de ‘diplomacia empresarial‘, que hoje já permeia algumas instituições".

Para o professor da Universidade de Brasília (UnB), Ricardo Caldas, o problema, no País, está no fato de não existir uma lei que trate do tema. Canadá, Estados Unidos e União Europeia, segundo ele, criaram leis específicas sobre lobby, com códigos de condutas para lobistas. "Como não há legislação sobre isso no Brasil, também não há parâmetros. O soberano não tem limites, a não ser a sua consciência", disse, citando o teórico Thomas Hobbes. "Você não pode colocar uma pessoa sem qualificação para fazer defesa de interesse, pois sem argumento técnico entra a propina", ressaltou Caldas. O professor lembrou que ainda em 1990 um projeto de lei do senador Marco Maciel tentou regulamentar o tema no Brasil e que atualmente, mais de 20 anos depois, nada foi oficializado. Outro projeto, do deputado Carlos Zarattini, apresentado em 2007, segue sem definição.

Frederico Gonçalves Cezar, gerente de Informações e Estudos da CNI, mostrou alguns resultados práticos de ações legislativas realizadas pela Confederação Nacional da Indústria. Para o assessor especial na Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República e coordenador da área de Pesquisa e Opinião Pública, Wladimir Gramacho, governos devem realizar com regularidade pesquisas de opinião, pois ajudam a aumentar a responsabilidade e a eficácia de suas ações.

No painel da tarde desta terça-feira, apresentaram cases de sucesso José Antônio Fernandes Martins, presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus (Fabus) e do Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários (Simefre); e Celia Feldpausch, diretora-executiva da Brazil Industries Coallition (BIC).

Veja mais

FIERGS 29/06/2016 às 15h00
 Os alunos do Senai do Rio Grande do Sul estão na última etapa de preparação para Seletiva Worldskills 2017, que será em Abu Dhabi.
Saiba mais
FIERGS 27/06/2016 às 15h07
A Sondagem Industrial de maio, divulgada nesta segunda-feira (27) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), revela que a produção e o...
Saiba mais
FIERGS 23/06/2016 às 14h54
Representantes de 11 empreendimentos assinaram na manhã desta quinta-feira (23), no Palácio Piratini, o incentivo do Fundo Operação Empresa (Fundopem)...
Saiba mais