Você está aqui

Economia

Exportações gaúchas avançam 24,8% em novembro

 
As exportações do Rio Grande do Sul cresceram 24,8% em novembro, na comparação com o mesmo mês de 2014, e totalizaram US$ 1,31 bilhão. A principal contribuição positiva veio dos produtos básicos (commodities), que registraram avanço de 307,0% devido à demanda elevada por soja da China (433,4%). Por sua vez, o setor industrial gaúcho respondeu por 81,6% de tudo que o Estado embarcou e aumentou em 9,2% suas vendas externas no período, somando US$ 1,07 bilhão. 
 
Este foi apenas o segundo crescimento nessa base de comparação desde março. O outro havia sido em setembro, quando houve a contabilização de uma plataforma de petróleo e gás como exportação. “Tivemos uma notícia animadora vinda da Argentina, que anunciou a retirada das barreiras à importação a partir do início do ano que vem. A taxa de câmbio também deverá ajudar”, afirmou o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Müller, ao avaliar a balança comercial.
 
De um total de 23 segmentos fabris que realizaram embarques, oito cresceram, oito caíram e sete se mantiveram estáveis. As categorias com as maiores contribuições positivas foram Celulose e Papel (313,3%), Madeira (300%) e Alimentos (12,5%). Já Produtos Químicos (-10,3%) e Máquinas e Equipamentos (-7,5%) sofreram as quedas mais significativas.
 
Em relação aos parceiros comerciais de novembro, ante igual mês do ano passado, a China alcançou o primeiro lugar (US$ 173,8 milhões), uma elevação de 181%, cujo produto mais solicitado foi a soja. A segunda posição ficou com a Argentina (US$ 125,3 milhões), que aumentou em 24,3% as encomendas e recebeu principalmente veículos automotores. Na sequência vieram os Estados Unidos (US$ 93,0 milhões), ao expandirem em 15,3% seus pedidos, basicamente tabaco não-manufaturado.
 
Ainda nessa base de comparação, as importações totais gaúchas caíram 40,5%, somando US$ 841 milhões – o menor valor desde 2006. Com exceção de Combustíveis e Lubrificantes (6,3%), todas as categorias de uso tiveram diminuições. Aproximadamente 75% da queda é explicada pelos Bens Intermediários (-47,8%), que estão diretamente atrelados à fraca dinâmica industrial. Além disso, a desvalorização da taxa de câmbio e o pessimismo dos empresários em relação ao futuro ajudam a explicar o resultado.
 
Acumulado do ano – Entre janeiro e novembro, as exportações do Estado retraíram 5,4%, enquanto a indústria recuou 8,2%. Coque e Derivados de Petróleo (-82,4%), Tabaco (-14,5%), Couro e Calçados (-13,4%), Produtos Químicos (-10,4%) e Produtos Alimentícios (-7,5%) lideraram as perdas. 

 

 

Veja mais

FIERGS 23/06/2016 às 14h54
Representantes de 11 empreendimentos assinaram na manhã desta quinta-feira (23), no Palácio Piratini, o incentivo do Fundo Operação Empresa (Fundopem)...
Saiba mais
FIERGS 22/06/2016 às 14h25
O Serviço Social da Indústria (Sesi) completa, em 1º de julho, 70 anos de atividades.
Saiba mais
FIERGS 21/06/2016 às 17h04
O presidente da FIERGS, Heitor José Müller, participou, nesta terça-feira (21), em Brasília, de audiência com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles,...
Saiba mais