Você está aqui

Falta de confiança do empresário diminui em março no Estado

Mesmo atingindo 40,6 pontos em março, o maior patamar desde fevereiro de 2015, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) nesta quarta-feira (16), ainda revela um quadro de falta de confiança que já dura dois anos. Isso ocorre porque o valor ainda está muito abaixo dos 50 pontos, a partir do qual a pesquisa considera a situação com maior otimismo.

Em relação a fevereiro, o ICEI-RS subiu dois pontos, enquanto o índice de condições atuais aumentou de 30,5 para 33,6 pontos, mas continuou abaixo dos 50 pontos e, portanto, retratando piora na comparação com os últimos seis meses. A mesma avaliação se repete em relação à economia brasileira, apesar de ter crescido: 24,5 pontos, 2,3 acima de fevereiro. Já o Índice das condições atuais das empresas foi o que apresentou a maior expansão, 3,6 pontos, pulando para 38,2, em março.

Os empresários entrevistados no levantamento não acreditam na possibilidade de a situação se reverter nos próximos meses. Os índices de expectativas para o semestre seguiram a tendência negativa, apesar de terem reagido na comparação com fevereiro. O indicador geral foi de 42,7 pontos para 44,2. A percepção para a economia brasileira também pouco se alterou, passando de 31,6 para 32,7 pontos. O destaque novamente foi o índice das empresas que pela primeira vez, desde fevereiro do ano passado, não mostrou pessimismo: subiu de 48,1 para 50,1 pontos. O percentual de pessimistas com a economia brasileira diminuiu de 60,7% para 57,6%.

 


 

Veja mais

FIERGS 1/12/2016 às 18h39
O presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Rio Grande do Sul, Heitor José Müller, anunciou, nesta quinta-feira, o nome do sucessor para a...
Saiba mais
FIERGS 1/12/2016 às 18h21
As perspectivas do comércio internacional a partir de acordos como a Parceria Transpacífico (TPP), negociado entre Estados Unidos e 11 países do Pacífico...
Saiba mais
FIERGS 30/11/2016 às 18h53
“A redução na taxa de juros já era esperada. Entretanto, acreditamos que essa queda poderia ter sido maior.
Saiba mais