Você está aqui

Economia

FIERGS diz que cautela não pode gerar custos para sociedade

Paulo Tigre afirma que juro alto inibe o investimento produtivo

A decisão do Banco Central, nesta quarta-feira (5), em manter a taxa básica de juros, a Selic, em 11,25%, era esperada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) devido à persistência de pressões inflacionárias reveladas pelos indicadores de janeiro e a incerteza no cenário externo. Segundo o presidente da entidade, Paulo Tigre, "como ainda há muita dúvida quanto à dinâmica da economia mundial em 2008, era esperado que o Comitê de Política Monetária agisse com cautela. Entretanto, é preciso que o governo fique atento às mudanças de cenário para a sociedade brasileira não arcar com custos desnecessários", afirma. A situação cambial tem prejudicado fortemente os exportadores, destaca Tigre ao defender a queda da Selic para aumentar a competitividade.

Conforme o industrial, o juro alto inibe o investimento produtivo e isto é ruim para as perspectivas da economia brasileira pela permanente necessidade de modernização do parque industrial.

O próximo encontro do Copom será nos dias 15 e 16 de abril.

Tags: 

Veja mais

FIERGS 23/06/2016 às 14h54
Representantes de 11 empreendimentos assinaram na manhã desta quinta-feira (23), no Palácio Piratini, o incentivo do Fundo Operação Empresa (Fundopem)...
Saiba mais
FIERGS 22/06/2016 às 14h25
O Serviço Social da Indústria (Sesi) completa, em 1º de julho, 70 anos de atividades.
Saiba mais
FIERGS 21/06/2016 às 17h04
O presidente da FIERGS, Heitor José Müller, participou, nesta terça-feira (21), em Brasília, de audiência com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles,...
Saiba mais