Você está aqui

Economia

Indústria de transformação do RS volta a registrar alta nas exportações

Após dois meses consecutivos de queda, as exportações da indústria de transformação no Rio Grande do Sul voltaram a crescer em fevereiro (3%), na comparação com o mesmo período de 2015. Ao todo, os embarques do setor somaram US$ 749 milhões. Isso se explica, em parte, pelo fato de o mês possuir um dia útil a mais este ano. Mas ao considerar o cálculo da média exportada, ponderada pelo número de dias úteis, os manufaturados registraram queda: -2,4%. Utilizando a mesma métrica, o resultado regional foi pior em relação ao Brasil, onde houve avanço de 5,5%. Já as vendas externas totais do RS tiveram uma retração de 1,7%, e alcançaram US$ 859 milhões, o que coloca o Estado na sexta colocação do ranking nacional, atrás de São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Paraná e Rio de Janeiro.
 
Dos 24 segmentos da indústria de transformação gaúcha que registraram alguma operação de exportação no mês passado, a maioria (13) cresceu, especialmente Celulose e Papel (575%) - resultado da ampliação da capacidade da Celulose Rio Grandense (CMPC), em Guaíba, cuja nova fábrica começou a operar em maio de 2015 -, Produtos Químicos (20,7%), Couro e Calçados (26,1%) e Tabaco (10,1%). Porém, houve fortes reduções em segmentos de importante contribuição à economia gaúcha, caso de Produtos Alimentícios (-17%), Veículos Automotores, Reboques e Carrocerias (-20,6%) e Máquinas e Equipamentos (-20,7%). Em relação aos alimentos, as perdas coincidem com o forte aumento das vendas do complexo soja da Argentina, provocadas pela redução de impostos e desvalorização da taxa de câmbio promovidas pelo governo daquele país.
 
As importações também registraram diminuição: -11,5%, somando US$ 732 milhões, o valor mais baixo desde 2009 (US$ 594 milhões). Apenas a categoria de Combustíveis e Lubrificantes, com acréscimo de 15,1%, não sofreu diminuição. Os segmentos ligados à indústria – Bens de Capital e Intermediários – registraram perdas de 20% e 13,8%, respectivamente.
 
ACUMULADO - Ao longo dos dois primeiros meses do ano, as exportações totais caíram 9,3% (US$ 1,67 bilhão), enquanto a indústria reduziu 5,2% (US$ 1,53 bilhão). O principal destaque negativo fica por conta dos Produtos Alimentícios (-25,1%). Celulose e Papel cresceu 814,3% no acumulado entre janeiro e fevereiro.
 
Rio Grande do Sul exporta mais para os Estados Unidos
As exportações do Rio Grande do Sul no mês de fevereiro tiveram como principal destino os Estados Unidos. O País registou um crescimento de 32,1% em relação ao mesmo mês do ano passado, comprando um total de US$ 107 milhões de produtos gaúchos, especialmente tabaco não manufaturado. A China, com US$ 85 milhões, foi o segundo parceiro, adquirindo principalmente soja. Já a Argentina, com US$ 75 milhões, apresentou uma queda de 5,1%, mas manteve a terceira posição, com destaque para veículos automotores.
 
 
 
 
 
 
 

Veja mais

FIERGS 30/05/2016 às 16h19
 O presidente da FIERGS, Heitor José Müller, foi o palestrante da reunião-almoço da Câmara da Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul, nesta...
Saiba mais
FIERGS 30/05/2016 às 14h54
O mês de abril registou nova queda na atividade industrial gaúcha em relação a março, e as expectativas para os próximos seis meses se deterioram entre...
Saiba mais
FIERGS 27/05/2016 às 15h39
O presidente da FIERGS, Heitor José Müller, foi homenageado na manhã desta sexta-feira com a medalha Mérito da Panificação durante a 68ª Convenção...
Saiba mais