AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | TEL.: 51-3347.8787

Você está aqui

Para os gaúchos, carga tributária chegou ao limite

Pesquisa

Pesquisa encomendada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) identificou que na opinião dos gaúchos a carga tributária chegou ao limite. Para 92,9% dos entrevistados, as taxas e os impostos pagos são considerados muito elevados. "Isto mostra que o debate da recriação da CPMF deveria ser substituído pela imediata discussão em torno da Reforma Tributária. O levantamento realizado consolida essa percepção e reforça que não se justifica estreitar o foco de discussão em torno da volta de um tributo. A sociedade tem dado sinais claros de que deseja um novo sistema fiscal", afirmou o presidente da FIERGS, Paulo Tigre, nessa quinta-feira (11).

De acordo com o industrial, a pesquisa de opinião pública foi encomendada pela FIERGS com o objetivo de verificar o pensamento da sociedade em relação à tese da entidade de rejeitar os aumentos de impostos e defender, isto sim, uma reforma que reduza a carga tributária através da ampliação do universo de contribuintes e da simplificação de procedimentos. O levantamento foi feito pelo Instituto Methodus, em 30 municípios do Estado, aplicando 1.500 entrevistas.

Apenas 6,2% dos pesquisados entendem que a carga atual é adequada. Os resultados também mostraram que os consumidores desconhecem o que pagam de imposto em cada produto adquirido. Mas, em uma hipotética compra de R$100,00 de alimentos, atribuíram a incidência de impostos de 26% a 40%, o que se assemelha ao patamar da carga tributária brasileira sobre o PIB , que seria de 39%.

Numa outra hipótese levantada pela pesquisa, caso os impostos fossem reduzidos em 30%, os gaúchos se mostraram mais inclinados a poupar essa "sobra" de dinheiro: 42,7% responderam que poupariam; 28,5% quitariam dívidas; e 27,3% consumiriam mais.

O trabalho também mostrou que a transparência dos impostos pagos seria muito bem-vinda, pois o destaque dos tributos na Nota Fiscal de compra foi aprovada por 85,2% dos entrevistados.

Quanto às prioridades para os governos aplicarem os recursos já retirados dos contribuintes, a pesquisa identificou em primeiro lugar a saúde, com 89,8% das respostas; seguida da educação, com 80,4%, e a segurança, com 56,5% .