Você está aqui

Representatividade

Redução do custo da energia elétrica beneficia a competitividade industrial, afirma FIERGS

"A energia elétrica é um dos insumos que tem forte impacto nos custos das indústrias e a decisão do governo de reduzi-la irá melhorar a competitividade do setor produtivo brasileiro, tanto no mercado nacional quanto internacional", afirmou o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Müller, nesta terça-feira (11), durante o anúncio de diminuição da tarifa feito pela presidenta Dilma Rousseff, em Brasília.

Para o presidente da FIERGS, o problema da perda de competitividade da indústria nacional ocorre devido aos elevados custos de produzir e transportar. "Por isso, também são urgentes as reformas no sistema tributário que levem à redução de impostos. Assim como há necessidade de aprofundamento nos investimentos em infraestrutura e educação", destacou Müller.

Será também encaminhada ao Congresso uma Medida Provisória prevendo a possibilidade de prorrogação das concessões do setor de energia que estão vencendo a partir de 2015. De acordo com a presidenta, o governo quer os descontos nas contas de luz em troca das renovações. "Isso permitirá, pela primeira vez na história, o retorno para o consumidor dos investimentos que foram financiados por ele", garantiu Dilma Rousseff.

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, detalhou as medidas do governo para diminuir os custos da energia elétrica, que começam a valer em 2013. A redução será resultado de cortes em encargos embutidos na conta de luz e da renovação de contratos de concessão. Segundo Lobão, a queda na tarifa para a alta tensão, ou seja, grandes empresas consumidoras, vai variar de 19,7% a 28%. Para o consumidor residencial, o valor será 16,2% menor. Lobão informou ainda que serão eliminados dois dos encargos setoriais incidentes: a Conta de Consumo de Combustíveis (CCC) e a Reserva Geral de Reversão (RGR). Já a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) será reduzida a 25% de seu valor atual.

Atualmente, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), do custo médio total da tarifa, cerca de 45% são referentes a encargos, taxas e tributos. O Brasil paga 143% a mais pela energia do que os outros países que compõem os BRICs (Rússia, Índia e China).

Veja mais

FIERGS 29/06/2016 às 15h00
 Os alunos do Senai do Rio Grande do Sul estão na última etapa de preparação para Seletiva Worldskills 2017, que será em Abu Dhabi.
Saiba mais
FIERGS 27/06/2016 às 15h07
A Sondagem Industrial de maio, divulgada nesta segunda-feira (27) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), revela que a produção e o...
Saiba mais
FIERGS 23/06/2016 às 14h54
Representantes de 11 empreendimentos assinaram na manhã desta quinta-feira (23), no Palácio Piratini, o incentivo do Fundo Operação Empresa (Fundopem)...
Saiba mais