AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

Segundo semestre começa com confiança baixa entre industriais no Rio Grande do Sul

Pesquisa

Com uma pequena alta de 0,3 ponto em relação a junho, mês que foi seriamente impactado por causa da greve dos caminhoneiros e atingiu o nível mais baixo em dois anos, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS) alcançou 50,7 pontos em julho. De acordo com o levantamento da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), divulgado nesta quinta-feira (19), o resultado mostra que o segundo semestre começa com uma confiança muito baixa entre os industriais gaúchos. A pesquisa varia de zero a 100, revelando otimismo a partir de 50.

Passado o efeito da crise provocada pelos caminhoneiros, a maior contribuição para a ligeira alta do ICEI-RS no mês veio do Índice de Condições Atuais, que cresceu 2,3 pontos ante junho. Porém, com 45,1 pontos, ainda expressa piora, pois ficou abaixo do mínimo de 50. A ouca confiança do Industrial do RS em relação à economia brasileira continua, mas deu uma amenizada ao aumentar de 35,1 para 39,6 pontos, enquanto o Índice de Condições Atuais das Empresas cresceu de 46,8 para 48 no período.

Para os próximos seis meses a confiança ainda predomina entre os empresários consultados na pesquisa, apesar da retração de 54,1 para 53,4 pontos no Índice de Expectativas. Mas, na passagem de junho para julho, ocorreu a quarta queda, atingindo o menor patamar desde dezembro de 2016. As expectativas positivas, entretanto, estão restritas ao futuro de suas empresas, cujo índice caiu de 58 para 57,8 pontos, visto que com a economia brasileira a sensação é diferente, conforme mostra a queda do índice de 46,6 para 44,9 pontos. A parcela de empresários pessimistas com a economia do País é de 30%, bem acima dos 12,4% de otimistas.

Segundo avaliação entre os empresários, depois do impacto sofrido em junho, é possível que parte do otimismo perdido seja recuperado nos próximos meses com a dissipação dos efeitos da paralisação dos caminhoneiros, mas não retornará aos níveis anteriores. A deterioração da confiança é mais um obstáculo ao processo de recuperação da indústria gaúcha em 2018.

A coleta de dados para o ICEI-RS foi realizada entre os dias 2 e 13 de julho, com 238 empresas, sendo 88 grandes, 89 médias e 61 pequenas. Mais informações em http://fiergs.org.br/pt-br/economia/indicador-economico/icei.