AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

Sondagem Industrial aponta para pequena recuperação nos próximos meses

Pesquisa

A Sondagem Industrial do RS, divulgada nesta quarta-feira (25) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), mostra que o cenário descrito pelos empresários não se alterou em março e também no primeiro trimestre de 2018. Isso significa que uma recuperação apenas moderada continua e deve prosseguir no mesmo ritmo nos próximos meses.  Na comparação mensal com fevereiro, o índice da produção foi de 56,3 pontos no período. Acima da linha divisória dos 50, mostrou crescimento, o terceiro seguido, em relação ao mês anterior. O mesmo desempenho foi registrado pelo nível de emprego, com o índice de março marcando 52,5 pontos.

A indústria gaúcha ainda registra ociosidade elevada, mas vem caindo, como revelado na passagem mensal, quando a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) subiu três pontos percentuais, chegando a 69%. Em março, com a terceira elevação consecutiva, o índice de UCI em relação ao usual, embora permaneça abaixo dos 50 pontos considerados de uso normal, alcançou 45,9 pontos, contra 44,3 de fevereiro. Ao mesmo tempo, a indústria voltou a formar estoques indesejados em março de 2018, com o índice em relação ao planejado pelas empresas atingindo 51,4 pontos, superando o nível programado depois de três meses ajustados.

TRIMESTRE
No primeiro trimestre de 2018, a Sondagem Industrial apontou insatisfação dos empresários com a margem de lucro operacional (42,1 pontos) e com a situação financeira (47,6) das empresas. Os indicadores, abaixo dos 50 pontos, pouco se alteraram em relação ao último trimestre de 2017. Os empresários consideraram as condições de acesso ao crédito menos adversas nos primeiros três meses de 2018. O Índice foi de 41,1 pontos, o maior desde o quarto trimestre de 2013.

O principal problema apontado na pesquisa no período para o setor foi a elevada carga tributária, com 39,8%. A demanda insuficiente, 37,6%, também foi bastante considerada, assim como a falta ou o alto custo das matérias-primas (25,3%), item que ganhou mais relevância nos resultados em relação ao último trimestre do ano passado.

Os empresários ouvidos na pesquisa da FIERGS, porém, continuam otimistas para os próximos seis meses, com todos os indicadores de abril permanecendo acima dos 50 pontos e praticamente sem variação na comparação com os registrados no mês anterior. As perspectivas são de crescimento para a demanda (60,2 pontos), para as compras de matérias-primas (58,1), para o emprego (52,2) e para as exportações (59,6). Outro resultado que atesta o cenário mais favorável para o setor foi a intenção de investir, cujo índice atingiu, em abril de 2018, o maior nível em quatro anos: 57,3 pontos.

A Sondagem Industrial consultou 221 empresas, sendo 57 pequenas, 82 médias e 82 grandes, no período entre 2 e 13 de abril. Mais informações em http://fiergs.org.br/pt-br/economia/indicador-economico/sondagem-industrial.