Você está aqui

Sondagem Industrial aponta um ano difícil para a indústria

 
Os índices de atividade em dezembro foram os menores para o mês já apurados pela Sondagem Industrial do Rio Grande do Sul, desde 2010. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (25) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). O indicador varia de 0 a 100, valores abaixo de 50 pontos indicam a intensidade na redução ou piora e valores acima de 50 apontam a intensidade no crescimento e melhora.
 
A produção (34,1 pontos) manteve a sequência de quedas mensais iniciada em abril de 2015. O emprego (42,1 pontos) segue em queda por 20 meses consecutivos. O desaquecimento da atividade também se reflete na baixa utilização da capacidade instalada (UCI) que ficou em 63,0%. Com isso, a UCI usual (32,7 pontos) se afastou ainda mais do nível considerado normal pelos empresários.
 
“O setor terminou o ano em queda, devido à fraca demanda doméstica, e indica um começo de 2016 muito difícil. A indústria gaúcha enfrentou inúmeros problemas no último trimestre de 2015”, disse o presidente da FIERGS, Heitor José Müller, ao avaliar os dados da pesquisa.
 
Os principais obstáculos apontados foram demanda interna insuficiente (49,8%), elevada carga tributária (48,9%), taxas de juros elevadas (25,6% dos entrevistados), a falta ou alto custo da energia (22,5%), a falta ou o alto custo da matéria-prima (22,5%), a taxa de câmbio (22,5%), a falta de capital de giro (22,0%) e a inadimplência dos clientes (20,7%).
 
A queda na produção em dezembro propiciou uma redução dos estoques de produtos finais (46,3 pontos) em relação a novembro, permitindo a aproximação do planejado pelas empresas (52,1 pontos).
 
As avaliações das empresas sobre suas finanças no último trimestre de 2015 continuaram negativas. O índice de condições financeiras (38,2 pontos) revelou um alto grau de insatisfação. Em relação à margem de lucro (31,4 pontos), a avaliação foi ainda pior. A grande dificuldade de acesso ao crédito (31,3 pontos) e o aumento nos preços das matérias-primas (69,9 pontos) completam o complexo quadro financeiro das empresas.
 
As expectativas dos empresários gaúchos para os próximos seis meses ainda são negativas em janeiro, embora não tanto quanto em dezembro. Projetando quedas, o índice de demanda foi de 46,2 pontos, o de emprego, 43,3 pontos e o de compras de matérias-primas, 44,7 pontos. Além disso, a intenção de investimento (41,5 pontos) é bastante baixa. Já o cenário é um pouco diferente para as exportações: o indicador de quantidade exportada (55,5 pontos) revela expectativa de crescimento.

Acesse o estudo completo em www.fiergs.org.br/indicadoreseconomicos

 

 

 

 

Veja mais

FIERGS 28/07/2016 às 16h28
A Sondagem Industrial de junho, divulgada nesta quinta-feira (28) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), revela uma retração no...
Saiba mais
FIERGS 25/07/2016 às 15h15
 O cenário de crise econômica no Brasil, que torna o crédito mais caro e restrito e, consequentemente, cria grandes entraves para a obtenção de capital...
Saiba mais
FIERGS 22/07/2016 às 12h59
 O Serviço Social da Indústria (Sesi) é a instituição mais lembrada no Brasil quando o assunto é saúde e segurança do trabalho.
Saiba mais