AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

economia

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) incrementa suas linhas de crédito a micro, pequenas e médias empresas (MPMEs). No primeiro bimestre de 2018, a instituição desembolsou R$ 6,85 bilhões, 55,5% (R$ 3,8 bilhões) às MPMEs. Além disso, a instituição aprimora mecanismos de financiamento a Estados e municípios, colaborando com gestores públicos em projetos que vão de iluminação pública e saneamento até voltados à segurança pública.

A redução da taxa básica de juros pelo Banco Central, que desde o final de 2016 passou de 14,25% para 6,5% ao ano, ainda não trouxe totalmente os reflexos esperados pelas empresas, na avaliação do presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry. A diminuição da Selic, cujo objetivo é o de estimular a atividade econômica que hoje atinge o menor patamar desde 1999, tem frustrado as expectativas dos empresários.

“A redução na taxa de juros contribui para a retomada econômica. Para que os ciclos de queda sejam mais longos é imprescindível, contudo, que se ajuste a questão fiscal e isso só será possível com reduções pelo lado da despesa e reformas estruturais no País”, disse o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry, ao comentar a decisão do Copom em reduzir, nesta quarta-feira (21), em 0,25 p.p. a taxa de juros, passando para 6,50%.

Cem empresas gaúchas participaram, nesta sexta-feira (9), na FIERGS, da Conferência Select USA 2018, que reuniu executivos brasileiros e americanos, representantes do governo dos Estados Unidos e de três estados daquele país. O objetivo foi compreender o processo de internacionalização para os EUA por meio de compartilhamento de experiências e depoimentos de quem tem conhecimento sobre inserção comercial na principal economia mundial.

O embaixador da França no Brasil, Michel Miraillet, disse nesta quinta-feira (1º), durante visita à Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), que o presidente Emmanuel Macron lhe incumbiu de incrementar as relações comerciais e econômicas em todas as áreas com o Brasil. “Isso não se resume apenas a São Paulo e Rio de Janeiro, precisamos aumentar nossa presença no Rio Grande do Sul, Estado atraente por seu desenvolvimento e recursos humanos de alto nível”, disse Miraillet, que foi recebido pelo presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry.

A Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) lamenta que a tramitação da proposta da Reforma da Previdência, que altera as regras para aposentadorias em todo o País, tenha sido suspensa. “A FIERGS, no entanto, não abandonará esse tema, que é um gargalo das contas públicas. E não haverá desenvolvimento econômico e social sem que as finanças estejam equilibradas”, diz o presidente da entidade, Gilberto Porcello Petry.

A adesão ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) é o primeiro passo para o governo do Estado “arrumar a casa” e aumentar os investimentos. A avaliação é do presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry, ao comentar a aprovação, por parte da Assembleia Legislativa, na madrugada desta quinta-feira (8), do projeto de lei complementar 249/2017, que autoriza o RS a aderir ao RRF.

Após duas fortes quedas consecutivas em 2015 (-3,5%) e 2016 (-3,6%), a economia brasileira começa a apresentar os primeiros resultados positivos. A expectativa é de crescimento de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 e de intensificação no processo de recuperação em 2018. As projeções são da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), que apresentou em entrevista coletiva, nesta terça-feira (5), o Balanço 2017 e Perspectivas 2018.

O presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry, alerta que empresas e empregos estão sob ameaça caso o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tenha que devolver antecipadamente, em 2018, R$ 130 bilhões da dívida com o Tesouro Nacional. O pedido para o ressarcimento deste valor no próximo ano, e de R$ 50 bilhões em 2017, foi formalizado pelo Ministério da Fazenda.

O presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry, foi o palestrante no evento que encerrou as comemorações de 25 anos da Associação Brasileira das Indústrias de Máquinas para Couro e Calçados (Abrameq) e do Sindicato da Indústria de Máquinas e Implementos Industriais e Agrícolas de Novo Hamburgo e Região (SinmaqSinos), nesta terça-feira (28). Petry observou que “também sou fabricante de máquinas e sei bem das dificuldades deste setor, que normalmente é o primeiro a sentir os efeitos das crises e o último a sair”.