You are here

Atividade industrial gaúcha volta a crescer, mas não recupera perdas acumuladas

Após duas quedas seguidas, a atividade industrial gaúcha apresentou em março o primeiro resultado positivo de 2012. Na comparação com fevereiro, o crescimento foi de 1,2%, descontados os efeitos sazonais. Esse avanço, no entanto, não recupera as perdas anteriores, que somaram 3% no acumulado, e ainda pouco altera a trajetória de estagnação dos últimos 25 meses. "A situação do setor produtivo continua difícil e as razões já são bastante conhecidas, tais como a forte concorrência de importados, a pressão de custos, o câmbio desfavorável e a demanda externa fraca", afirmou o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Müller, nesta quarta-feira (9), ao avaliar o Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS).

O resultado de março teve influência principalmente das variáveis ligadas à produção. O faturamento real acelerou 3,6% e as compras de insumos e matérias-primas industriais, 2%. Também apresentaram expansões as horas trabalhadas na produção (0,3%) e a utilização da capacidade instalada (0,8%). No que se refere ao mercado de trabalho, o emprego registrou a segunda retração seguida (-0,4%), enquanto a massa salarial real refletiu a escassez de mão de obra ao crescer 4,2%.

Quando os três primeiros meses do ano são analisados, em relação ao mesmo período do ano passado, o setor industrial do Estado assinala uma desaceleração acumulada de 0,3%. O desempenho foi impactado, em especial, pela queda de 6,7% das compras totais e de 1,5% das horas trabalhadas na produção. Os piores índices registrados vieram dos setores de Borracha e Plástico (-6,6%) e Couro e Calçados (-3,9%). As maiores contribuições positivas foram verificadas em Móveis (9,5%) e Máquinas e Equipamentos (6%). De acordo com o presidente da FIERGS, "os juros menores, a desvalorização cambial e as medidas de estímulos do governo ainda não tiveram força para frear as taxas negativas, mas seguem no centro das expectativas de recuperação das indústrias no médio prazo".

Publicado Wednesday, 9 May 2012 - 12h00