Menssagem de erro

  • O arquivo não pôde ser criado.
  • O arquivo não pôde ser criado.

Você está aqui

Paulo Tigre aborda potencial da indústria brasileira na Holanda

Industrial representa CNI na missão empresarial promovida pelo governo federal

O presidente da FIERGS, Paulo Tigre, representa a Confederação Nacional da Indústria (CNI) na delegação brasileira que está na Holanda, nos dias 10 e 11 de abril. O objetivo é estreitar as relações comerciais entre as duas nações, que já atingem mais de US$ 9 bilhões de dólares. O foco principalmente será nas áreas de energia, portos, agronegócio, transporte e logística. O encontro é promovido pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e acontecerá durante a visita oficial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva àquele país.

Paulo Tigre, vice-presidente da CNI e coordenador do Conselho de Integração Internacional da entidade, abordou o potencial da indústria nacional, na abertura do Seminário Empresarial Países Baixos − Brasil, que será realizado em Haia, sede do governo holandês. "Em torno de 25% da produção industrial brasileira é exportada. O volume total dos capitais no exterior superou os US$ 152 bilhões em 2006, dos quais US$ 114 bilhões foram de investimentos diretos. Com isso, o Brasil foi o segundo maior investidor entre as nações em desenvolvimento naquele ano, ficando atrás apenas de Hong Kong", afirma Tigre.

A comitiva, coordenada pelo ministro Miguel Jorge, apresenta a potenciais investidores holandeses diversos projetos nas áreas prioritárias − portos, agronegócio, energia, transporte e logística. Em 2007, a entrada de recursos diretos dos Países Baixos no Brasil somou US$ 8,1 bilhões, representando crescimento superior a 200% em relação a 2006. "Na última década, o comércio bilateral praticamente triplicou, fechando em quase US$ 10 bilhões de dólares no ano passado. A Holanda lidera também o ranking dos principais investidores estrangeiros no Brasil", disse Paulo Tigre.

As exportações brasileiras para aquele país no ano passado alcançaram US$ 8,8 bilhões, uma elevação de 14,8% na participação total das vendas para a União Européia. A importação de produtos holandeses, no mesmo período, também foi a maior já observada, atingindo US$ 1,1 bilhão, com um crescimento de mais de 100% em relação a 2003. As altas registradas nas cotações internacionais do petróleo, de sementes e carnes, produtos que lideram as relações comerciais entre Holanda e Brasil, contribuíram para este resultado na balança comercial.

Publicado quarta-feira, 9 de Abril de 2008 - 0h00
30/09/2022
Educação Empresarial
30/09/2022
Institucional