AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

argentina

Perspectivas Econômicas e Oportunidades de Negócios Brasil e Argentina foi tema do evento promovido pela FIERGS, por meio do Conselho de Comércio Exterior (Concex), na quarta-feira (15). A iniciativa foi da Câmara Empresarial Argentino-Brasileira do Rio Grande do Sul (Ceab-RS), com apoio do Consulado-Geral da Argentina em Porto Alegre, Fecomércio-RS e Farsul. O cônsul-geral do país em Porto Alegre, Jorge Enrique Perren, salientou que sem o apoio das três federações empresariais, a Ceab-RS não teria se viabilizado.

A FIERGS, por meio do Conselho de Comércio Exterior (Concex), e a Câmara Empresarial Argentino-Brasileira, realizam o evento Perspectivas Econômicas e Oportunidades de Negócios Brasil e Argentina, na próxima quarta-feira (15), às 9h. Aos participantes, serão expostos temas como o mercado argentino e os setores industriais do RS atrativos para aquele país, além das perspectivas econômicas e oportunidades de negócios entre as duas nações.

As exportações da indústria gaúcha, com um total de US$ 893 milhões comercializados, sofreram uma forte queda em abril (-9,3%) na comparação com o mesmo mês do ano passado. Apenas quatro dos 23 setores que registraram algum embarque para outros países no mês, expandiram suas vendas: Celulose e papel (38,6%), Químicos (5%), Tabaco (4,8%) e Bebidas (100%). O resultado de abril acompanha a tendência verificada ao longo de 2019, pois no fechamento do trimestre de janeiro a março, ocorreu uma redução de 5,2% nas exportações.

A redução da demanda externa, especialmente de China e Argentina, e a base de comparação elevada com o mesmo mês do ano passado provocaram uma forte retração nas exportações totais gaúchas em fevereiro. As vendas externas do Estado fecharam em US$ 1 bilhão, queda de 65,5%, mas esse desempenho inclui o registro de uma plataforma de petróleo e gás (P-74) no valor de US$ 1,5 bilhão no mesmo período de 2018. Em razão desta herança estatística, a indústria também teve um recuo, de 62,8%.

O presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry, participou nesta quarta-feira do almoço no Palácio Itamaraty, em Brasília, em homenagem ao presidente da Argentina, Maurício Macri, oferecido pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Na pauta, entre outros assuntos, as relações com o Mercosul e a balança comercial entre os dois países. Petry lembrou a Bolsonaro a importante relação que o Rio Grande do Sul tem com o país vizinho, no primeiro encontro entre os dois depois da posse do presidente da República em 1º de janeiro.

As exportações do Rio Grande do Sul fecharam o ano de 2018 com crescimento de 18,2% em relação a 2017, totalizando US$ 21 bilhões. A indústria registrou alta de 22% no período, com US$ 15,4 bilhões, mas se desconsiderar as operações com as plataformas de petróleo e gás (US$ 2,8 bilhões), as vendas para o exterior encerram o ano em queda de 0,5%, enquanto as exportações totais têm expansão de 2,2%.

Influenciadas pela indústria, que sofreu uma forte retração em novembro (11,9%), as exportações gaúchas totalizaram US$ 1,3 bilhão, um recuo de 7,6% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Apesar da redução, a análise desagregada da pauta aponta que o grupo de produtos básicos cresceu 10,5%, o que representa uma contribuição de US$ 346 milhões para o valor total observado.

A indústria gaúcha teve uma queda de 6,1% nas exportações em outubro, na comparação com o mesmo mês de 2017, ao alcançar US$ 1,2 bilhão como valor de suas vendas externas, o equivalente a 74,6% do total de US$ 1,6 bilhão embarcado pelo  Estado. A retração se explica, em parte, pelo fato de os dois segmentos com maior contribuição na pauta, Alimentos e Tabaco, terem fechado com forte recuo, de 20,4% e 24%, respectivamente.

A indústria de transformação gaúcha reduziu em 12,7% suas exportações em julho, na comparação com o mesmo mês do ano passado, ao vender para o exterior US$ 897 milhões. Contribuíram mais significativamente para este resultado negativo Máquinas e equipamentos, com queda de 28,2%; e Veículos automotores, com -20,3%. Os segmentos de Alimentos (9,2%) e Celulose e Papel (20,5%) se destacaram positivamente, insuficiente, todavia, para compensar as perdas.

A crise cambial na Argentina e a redução das vendas de carne suína provocada pelo embargo da Rússia, no contexto externo; e a greve dos caminhoneiros, no contexto interno, provocaram forte retração nas exportações da indústria de transformação gaúcha no segundo trimestre de 2018, em relação ao mesmo período de 2017. É o que revela a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), ao divulgar, nesta terça-feira (10), a Balança Comercial.