AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

crescimento

A Sondagem Industrial do RS em julho, divulgada nesta quarta-feira (30) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), mostra uma expectativa mais otimista por parte dos empresários. “Contribuíram para isso alguns resultados que apontam o aumento na produção industrial, menor número de demissões, redução da ociosidade e estoques ajustados”, afirma o presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry.

É hora de voltar a crescer. Essa é a proposta e o tema do Seminário da Pequena e Média Indústria, realizado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul. O evento com entrada franca ocorre no dia 25 de maio, às 13h, no Centro de Eventos FIERGS. As inscrições podem ser realizadas diretamente pelo link: http://www.seminariocopemi.eventize.com.br/.

Todos os indicadores que compõem o Índice de Desempenho Industrial  (IDI-RS), à exceção da massa salarial real, cresceram em fevereiro, na comparação com janeiro de 2017, divulga a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), nesta terça-feira (4). Com isso, a atividade no setor voltou a subir no Estado, registrando alta de 3% nos dados com ajuste sazonal, ante o mês anterior. Desde outubro do ano passado, os indicadores mostram volatilidade, sem uma tendência de crescimento definida.

Ao somarem US$ 934 milhões em fevereiro, as exportações do Rio Grande do Sul registraram um crescimento de 8,7% na comparação com o mesmo período de 2016. O grupo das commodities aumentou 17,4% (totalizando US$ 81 milhões). Se, por um lado, a soja caiu 2%, o trigo subiu 111,8%. Já o setor industrial embarcou US$ 846 milhões – 90,6% do total exportado –, um incremento de 8,3%, o maior já registrado desde 2011 no mês, quando alcançou 21,3%. “Estamos apenas devolvendo uma parte dos prejuízos sofridos ao longo dos últimos meses.

Uma nova prática para fomentar o empreendedorismo de startups pode ser uma alternativa para estimular a inovação e o desenvolvimento de diferenciais para a tradicional indústria gaúcha. É o investimento anjo, efetuado normalmente por pessoas físicas, empreendedores já estabelecidos, e é destinado a empresas nascentes com alto potencial de crescimento.
Ao atingir 52,9 pontos em agosto, o índice de produção da indústria gaúcha puxou o crescimento da atividade do setor no Estado. Foi a mais expressiva elevação mensal desde fevereiro de 2014, quando havia alcançado 54,2 pontos, aponta a Sondagem Industrial, divulgada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) nesta quinta-feira (29). Emprego, com 47,1 pontos, também apresentou uma leve melhora no mês (46,3 pontos em julho), embora continue a revelar queda por seguir abaixo dos 50 pontos.
Puxadas pelas commodities, que exerceram a maior influência positiva sobre o resultado, com crescimento de 31,9%, as exportações do Rio Grande do Sul somaram US$ 1,78 bilhão em maio, acréscimo de 12,2% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Isso ocorreu em função da elevação da demanda da China e do Paquistão por soja, produto que, sozinho, totalizou US$ 695 milhões, ou 39,1% do total das vendas externas gaúchas.  “Essa participação elevada se deve à sazonalidade típica da safra.

FIERGS divulgou o resultado do setor nesta terça-feira (5)

A atividade industrial gaúcha apresentou estabilidade em agosto, ficando apenas 0,1% abaixo do resultado de julho, sem os efeitos sazonais. "É uma acomodação natural, já que vínhamos de dois meses seguidos de expansão. O desempenho do setor deverá continuar numa trajetória ascendente, mas num ritmo mais moderado", disse o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Paulo Tigre, nessa terça-feira (5).

A atividade industrial gaúcha começou o segundo semestre com uma expansão de 1,9% em julho, sem os efeitos sazonais, na comparação com junho. Essa foi a segunda elevação consecutiva, interrompendo os movimentos de alternância de avanços e quedas que marcaram os seis primeiros meses do ano. "A tendência agora é de um continuo crescimento em ritmo moderado. Com isso, esperamos que o setor retorne ao nível pré-crise até o início de 2011", afirmou o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Paulo Tigre, na terça-feira (31).