AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

dólar

A queda no endividamento das empresas e das famílias nos últimos três anos, o alto grau de ociosidade das fábricas, a inflação controlada e os juros reduzidos são alguns fatores que contribuem para criar um ambiente favorável à recuperação da economia brasileira em 2019. A análise é do presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry, para quem o ano de 2018 se encerra também com a indústria gaúcha e nacional tendo deixado para trás a mais profunda recessão já registrada.

Presidente da FIERGS avaliou os impactos da valorização cambial

O desempenho das indústrias gaúchas exportadoras tem sido comprometido com a forte desvalorização do dólar frente ao real, que nessa semana atingiu R$ 1,55, o menor patamar desde 1999. "O governo está prestes a lançar a segunda edição da Política de Desenvolvimento Produtivo. A questão cambial certamente deve ser levada em conta nas medidas que vêm sendo estudadas e não pode ser tratada de forma isolada. Ela é um elemento da competitividade da economia.

Paulo Tigre avaliou impacto das decisões divulgadas pela Fazenda

Para a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), as três medidas anunciadas pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, para conter a desvalorização do dólar frente ao real, representam um primeiro passo para reverter a situação do câmbio mas, na prática, ainda são muito tímidas.