AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

economia

De 2001, ano da implantação do Piso Regional gaúcho, até 2017, o Rio Grande do Sul apresentou o segundo menor crescimento no número de empregos com carteira assinada entre os estados brasileiros. O total de vínculos formais aumentou 53,3%, enquanto no Brasil chegou a 76,5%. Além disso, entre 2003 e 2016, o RS teve a segunda pior elevação de PIB entre 27 unidades da Federação: 27,6%, muito inferior ao verificado no País no período, 40,6%.

Depois de crescer 1% em 2017, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, ainda sob o impacto da crise econômica mais intensa de sua história, deve aumentar 1,3% este ano, estima a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). Já o do Estado não deve passar de 1,1%. Porém, o presidente da entidade, Gilberto Porcello Petry, vislumbra um “realismo otimista” já a partir de 2019. “Investidores que estavam em dúvida em função do momento econômico, começam a ver novas perspectivas e dão sinais de que realizarão investimentos no País.

Com uma indústria siderúrgica pujante e um setor financeiro forte, responsável por 35% do PIB do país, tornando-o muito atraente para empresas  buscarem investimentos ou formas de viabilizá-los, Luxemburgo quer ampliar suas relações com diferentes nações, o que fez o governo incentivar políticas para diversificar a pauta a outros segmentos da economia.

A decisão do Copom, nesta quarta-feira (31), de manter a taxa Selic em 6,5% ao ano se explica, segundo a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), pelo ritmo de recuperação da economia abaixo do esperado, o que indica uma taxa de inflação controlada para os próximos meses. Mas, destaca o presidente da entidade, Gilberto Porcello Petry, se a crise fiscal não for resolvida, pode haver a necessidade de novos aumentos nesta taxa.

A transformação digital e seus caminhos serão abordados no Fórum IEL de Inovação, que acontecerá dia 3 de outubro, na sede da FIERGS. AI Economy – Desafios e Grandes Oportunidades da Nova Era será o tema deste ano com palestras de Gil Giardelli, Silvio Meira e Camila Achutti, a partir das 13h30min. O objetivo é mostrar as portas para essas mudanças, e apresentar seus impactos nos processos produtivos e modelos de negócios, além de discutir as oportunidades que aparecem com a nova era, e o que ela está colocando em evidência.

A Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) considera que a manutenção da taxa Selic em 6,50% ao ano, anunciada nesta quarta-feira (1º) pelo Comitê de Política Monetária (Copom), se deu pelo fato de existirem fatores estruturais que pesam sobre a manutenção da taxa em nível elevado. “Reduzir a taxa de juros ajudaria muito na recuperação econômica, por isso, lamenta-se que os juros não tenham caído mais.

Representantes de empresas, entidades e municípios gaúchos participam, a partir de 12 de março, da Missão Energias Renováveis e Biogás Países Baixos, organizada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), por meio do Centro Internacional de Negócios (CIN-RS).

O embaixador da França no Brasil, Michel Miraillet, disse nesta quinta-feira (1º), durante visita à Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), que o presidente Emmanuel Macron lhe incumbiu de incrementar as relações comerciais e econômicas em todas as áreas com o Brasil. “Isso não se resume apenas a São Paulo e Rio de Janeiro, precisamos aumentar nossa presença no Rio Grande do Sul, Estado atraente por seu desenvolvimento e recursos humanos de alto nível”, disse Miraillet, que foi recebido pelo presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry.

A Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) lamenta que a tramitação da proposta da Reforma da Previdência, que altera as regras para aposentadorias em todo o País, tenha sido suspensa. “A FIERGS, no entanto, não abandonará esse tema, que é um gargalo das contas públicas. E não haverá desenvolvimento econômico e social sem que as finanças estejam equilibradas”, diz o presidente da entidade, Gilberto Porcello Petry.

A adesão ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) é o primeiro passo para o governo do Estado “arrumar a casa” e aumentar os investimentos. A avaliação é do presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry, ao comentar a aprovação, por parte da Assembleia Legislativa, na madrugada desta quinta-feira (8), do projeto de lei complementar 249/2017, que autoriza o RS a aderir ao RRF.