AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

exportações

As exportações da indústria gaúcha, que alcançaram US$ 1,1 bilhão em maio, cresceram 17,4% na comparação com o mesmo mês de 2018. A forte alta, porém, foi influenciada pela base de comparação deprimida, em função da greve dos caminhoneiros, em maio do ano passado, e o início do colapso da economia argentina. O setor secundário contribuiu com 71,5% do total exportado pelo RS, contra 52,2% de igual período do ano anterior. “A crise na Argentina, um dos principais compradores de produtos do Estado, continua a contribuir negativamente para o desempenho de nossas vendas externas.

As exportações da indústria gaúcha, com um total de US$ 893 milhões comercializados, sofreram uma forte queda em abril (-9,3%) na comparação com o mesmo mês do ano passado. Apenas quatro dos 23 setores que registraram algum embarque para outros países no mês, expandiram suas vendas: Celulose e papel (38,6%), Químicos (5%), Tabaco (4,8%) e Bebidas (100%). O resultado de abril acompanha a tendência verificada ao longo de 2019, pois no fechamento do trimestre de janeiro a março, ocorreu uma redução de 5,2% nas exportações.

Sexto destino das vendas externas gaúchas, o Chile cresceu 4% no ano passado e, para 2019, a previsão é de um novo resultado positivo em sua economia, por volta de 3,5%, expansão que torna o país um mercado ainda mais atraente.

Fundo dos Emirados Árabes Unidos, com capital de US$ 4,3 bilhões, o Abu Dhabi Fund for Development (ADFD) está interessado em financiar projetos no Estado. Para isso, dois representantes do ADFD, Sharif Essa Al Suwaidi e Tariq Saeed Obaid, estiveram, nessa quarta-feira (17), reunidos com o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry.

As exportações da indústria gaúcha recuaram 5,2% de janeiro a março de 2019 comparado ao primeiro trimestre do ano passado, alcançando US$ 4,7 bilhões. Se desconsiderarmos os registros das plataformas de petróleo no âmbito Repetro, em janeiro de 2019 e fevereiro de 2018, a indústria gaúcha apresenta estagnação nas vendas externas (-0,3%), totalizando US$ 3,4 bilhões. O resultado foi divulgado, nesta terça-feira (9), pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS).

O Panamá, quarto destino das exportações gaúchas em 2018 – movimentou US$ 1,34 bilhão –, apresentou nesta sexta-feira (15), na Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), o seu projeto logístico e o potencial para joint-ventures visando ao mercado da América Latina. Com uma localização privilegiada na América Central e o canal do Panamá como atrativo, o país é considerado uma porta de entrada e saída eficiente para o comércio internacional.

A redução da demanda externa, especialmente de China e Argentina, e a base de comparação elevada com o mesmo mês do ano passado provocaram uma forte retração nas exportações totais gaúchas em fevereiro. As vendas externas do Estado fecharam em US$ 1 bilhão, queda de 65,5%, mas esse desempenho inclui o registro de uma plataforma de petróleo e gás (P-74) no valor de US$ 1,5 bilhão no mesmo período de 2018. Em razão desta herança estatística, a indústria também teve um recuo, de 62,8%.

A grave crise político-econômica da Venezuela, com  pouca diversificação da economia, dependência do petróleo e isolamento geopolítico do país  mostra que não  há perspectiva de retomada do comércio do Estado com um parceiro que já se mostrou importante na pauta de exportações da indústria gaúcha.

As exportações gaúchas começaram o ano em alta, na comparação com janeiro de 2018. Foram US$ 2,6 bilhões no primeiro mês de 2019, um incremento de 105,6%, o maior valor exportado já observado para a toda a série histórica no período. Porém, o resultado está fortemente influenciado pela operação envolvendo uma plataforma de petróleo e gás, no valor de US$ 1,3 bilhão para o Panamá. Com o registro dessa operação, a indústria do Estado também cresceu muito (133,6%) e somou US$ 2,5 bilhões no mês.

O presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry, participou nesta quarta-feira do almoço no Palácio Itamaraty, em Brasília, em homenagem ao presidente da Argentina, Maurício Macri, oferecido pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Na pauta, entre outros assuntos, as relações com o Mercosul e a balança comercial entre os dois países. Petry lembrou a Bolsonaro a importante relação que o Rio Grande do Sul tem com o país vizinho, no primeiro encontro entre os dois depois da posse do presidente da República em 1º de janeiro.