AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

liderança

Uma comitiva do Sistema FIERGS, liderada pelo presidente da entidade, Paulo Tigre, estará em Vacaria, nesta quarta-feira (25), para conhecer as prioridades da região.

De acordo com a programação, às 10h será realizado um encontro com industriais e lideranças empresariais, na CIC de Vacaria. No mesmo local, às 11h, ocorrerá a coletiva de imprensa. O fechamento das atividades acontecerá com uma reunião-almoço, na Sociedade União Operária, quando o presidente do Sistema FIERGS abordará a conjuntura econômica atual do Brasil e do Rio Grande do Sul.

O Rio Grande do Sul participou do Encontro Nacional da Indústria (Enai) com uma comitiva de 62 industriais, nesta terça-feira (17), em Brasília. Liderado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), o grupo levou as prioridades do setor gaúcho para integrar o documento final que será encaminhado ao governo federal e ao Congresso.

A posição da indústria gaúcha em relação à redução da jornada de trabalho foi levada à Câmara dos Deputados pelo presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Paulo Tigre, na última terça-feira (25), em Brasília. "Queremos um Brasil mais moderno, que gere empregos e empregos com mais qualidade. Esse Brasil moderno não passa pela redução da jornada de trabalho, mas sim por reformas importantes, como a tributária", afirmou o industrial em seu discurso na tribuna do Plenário Ulysses Guimarães, onde se reuniram empregadores e empregados.

O presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Paulo Tigre, lamentou que a manifestação ocorrida na sexta-feira (14), na frente da entidade, não tenha priorizado a geração de empregos, limitando-se a defender a redução da jornada de trabalho. "Todos sabemos que o problema atual é a geração de oportunidades de trabalho, é a abertura de novas vagas, e parece que isto não está na pauta dos sindicalistas", disse Tigre. A manifestação pacífica foi promovida pela CUT e CTB, reunindo cerca de 60 sindicalistas e um carro de som.

Os impactos negativos da proposta de redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais, do ponto de vista econômico e social, foram apresentados ontem (11) pelo presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Paulo Tigre, para a Bancada Federal gaúcha, durante encontro em Brasília, que contou com a participação da Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado (Fecomércio).

O presidente do Sinduscon-RS, Carlos Aita, foi empossado como novo presidente do Banco de Materiais de Construção da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais, na segunda-feira (20), quando empresários da construção civil se reuniram para conhecer um pouco mais das atividades da entidade. "É uma mostra do potencial de desenvolvimento social que o setor empresarial pode realizar, atuando de forma voluntária", enfatizou o presidente da FIERGS, Paulo Tigre.

O presidente da FIERGS, Paulo Tigre, apresentou nesta segunda-feira (dia 2), no Vale do Sinos, as ações anticrise que a entidade vem empreendendo para defender os interesses do setor industrial gaúcho. A palestra no Centro das Indústrias de São Leopoldo foi promovida por seis sindicatos patronais da região.

A Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) enviou posicionamento aos deputados estaduais alertando para a responsabilidade do voto de cada parlamentar ao apreciar o projeto do piso salarial regional, enviado pelo Executivo à Assembleia Legislativa e que prevê o reajuste de Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) sobre as bases vigentes.

Encontro na Assembléia Legislativa reuniu políticos

Uma reunião, nesta quarta-feira, reuniu na Assembléia Legislativa, lideranças políticas, empresariais e de representações de trabalhadores para discutir os efeitos da crise internacional na economia do Rio Grande do Sul.

Investimento pode chegar a US$ 450 milhões

Uma reunião na sede da FIERGS, nesta segunda-feira (dia 16), com industriais e parlamentares da Bancada Federal gaúcha, deflagrou o início da mobilização para a instalação no Rio Grande do Sul de uma planta de regaseificação de Gás Natural Liquefeito da Petrobras. "É uma questão de extrema importância para o desenvolvimento industrial do Estado.