AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

palestra

Nesta quarta-feira (25), data em que se comemora o Dia Nacional da Indústria, o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Müller, esteve em Cachoeira do Sul para falar a empresários na Reunião-Almoço: Cacisc Meio-Dia, durante a 19ª Fenarroz. O tema foi "Brasil. Transformar para Crescer".  Müller declarou que as indústrias querem trabalhar, crescer e gerar emprego, basta que os governos não atrapalhem. "Hoje, os indicadores são todos negativos.
“Estamos passando uma etapa histórica no País, um período de transformações. Não só pelo processo de impeachment, mas porque a sociedade exige respostas concretas”. A declaração abriu a palestra do presidente da FIERGS, Heitor José Müller, em reunião-almoço na Associação Comercial e Industrial de Alvorada (Acial), nesta quinta-feira (19).  Ele lembrou do manifesto publicado pela entidade “O Brasil não pode esperar”, em março deste ano, em apoio ao rito constitucional do impeachment.

O presidente da FIERGS, Heitor José Müller, afirmou nesta quinta-feira, em Novo Hamburgo, que o melhor programa social para o País é a reindustrialização. "Não há desenvolvimento sustentado sem indústria", disse ele, que fez palestra aos empresários da região a convite da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Novo Hamburgo, Campo Bom e Estância Velha (ACI-NH), na Sociedade Ginástica de Novo Hamburgo.

Entre 2012 e 2013, o Brasil caiu da 48ª para 56ª posição no ranking do relatório de Competitividade do Fórum Econômico Mundial de Davos. "As principais causas para o resultado foram a falta de infraestrutura básica, ambiente hostil aos negócios com alto índice de burocracia e a piora das expectativas em relação à economia nacional", elencou o presidente da FIERGS, Heitor José Müller, em sua participação no Congresso de Negócios Internacionais, promovido pela Feevale nesta quarta-feira (11). O evento reuniu acadêmicos e empresários no campus da universidade em Novo Hamburgo.

Os problemas e os custos de logística estão entre os gargalos mais relevantes para a competitividade da economia do Rio Grande do Sul. "Para se ter uma ideia, é mais caro levar um produto de Santa Rosa para Rio Grande, do que de Rio Grande para Xangai", afirmou o presidente da FIERGS, Heitor José Müller, que destacou essas e outras questões durante a reunião-almoço da Associação das Indústrias de Curtume do Rio Grande do Sul (Aicsul), em Novo Hamburgo, nesta quinta-feira (14).

A importância da associação entre representantes da sociedade, poder público e privado na busca de soluções para os problemas enfrentados pelo Rio Grande do Sul. Esse foi um dos pontos defendidos pelo presidente da FIERGS, Heitor José Müller, em palestra realizada em Panambi, região Noroeste do Estado, nesta quinta-feira. Ele afirmou ser fundamental o diálogo com os governos estadual e federal. "Muitas vezes, a visão das autoridades não alcança os impactos setoriais e regionais de suas decisões.

A representante da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, Mary Ann Curran, explicou a análise do ciclo de vida, em palestra na sede da FIERGS. A norte-americana abordou a filosofia do Ciclo de Vida − Life Cycle Thinking, uma abordagem que avalia consequências econômicas, sociais e ambientais de um processo ou produto ao longo de todo ciclo de vida. Ela defende que as organizações ampliem o foco da atuação dos seus produtos além da produção.

"Empreendedorismo e associativismo, a soma que dá certo" foi o tema da palestra apresentada pelo presidente da FIERGS, Heitor José Müller, aos integrantes do Instituto de Estudos Empresariais (IEE). No encontro, realizado na segunda-feira (16), o industrial apresentou um histórico de sua vida como empreendedor, que começou com uma lavanderia em Montenegro e seguiu na agroindústria à frente da Frangosul, Agrogen e Novagro. Depois expandiu a atuação no segmento de fundição, com a Fundimisa.

A competitividade das empresas brasileiras enfrenta uma série de desafios há décadas, como os altos impostos, a excessiva burocracia e a precária infraestrutura do País, mas a atual crise financeira da Europa e dos Estados Unidos aprofundou as dificuldades e tornou o cenário econômico e político mais complexo. A avaliação do presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Müller, foi apresentada no Tá na Mesa da Federasul, nesta quarta-feira (23). "Precisamos proteger o nosso setor produtivo.

O presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Müller, será o palestrante da reunião-almoço da Câmara Brasil-Alemanha, nesta quinta-feira (20), quando abordará a "Agenda de desafios do empresariado". Entre as questões tratadas estarão o Plano Brasil Maior, a reestruturação tributária, os juros, o câmbio, a infraestrutura e os royalties do pré-sal.