AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

pesquisa

Após 33 meses de queda, o Indicador de Emprego da Sondagem Industrial, divulgada nesta quarta-feira (29) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), revela estabilidade ao alcançar 49,7 pontos em fevereiro, na comparação com janeiro de 2017. Outro índice do levantamento, o da produção industrial, também chega a 49,7 pontos mostrando, pela proximidade com a linha divisória dos 50, que ficou estável em relação ao primeiro mês do ano. Para efeito de comparação, no mesmo período de 2016 o indicador estava em 45,7 pontos e, em 2015, em 40,6.

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) nesta terça-feira (21), começa a detectar uma nova perspectiva em relação à economia brasileira e às empresas. Após a terceira alta consecutiva, de 3,3 pontos, passando de 55,1 em fevereiro para 58,4, alcançou o maior nível para março desde 2011 (59,4 pontos).

A queda na taxa de inflação, a redução nos juros, a disposição do governo federal em melhorar o quadro fiscal e levar adiante as reformas estruturais são apontadas como razões para o aumento no Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado nesta quinta-feira (23) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). O ICEI-RS cresceu pelo segundo mês seguido e atingiu 55,1 pontos em fevereiro, o maior valor para o período em quatro anos. Isso demonstra que os empresários gaúchos consultados no levantamento estão confiantes.
A intenção de investimento dos industriais do Rio Grande do Sul é a menor desde 2010 e se o número elevado de projetos cancelados e/ou adiados por tempo indeterminado em 2016 se repetir, teremos um recorde em 2017. Os empresários estão cautelosos, como mostra pesquisa divulgada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) nesta terça-feira (14). “A principal razão é a incerteza econômica, a ociosidade elevada e o alto custo do crédito.
Uma pesquisa encomendada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) junto ao Instituto Methodus, divulgada nesta quinta-feira (19), revela que 65% dos trabalhadores gaúchos aceitariam negociar a carga horária diária entre empregador e empregado para reduzir os dias trabalhados na semana. Esta é uma das propostas previstas na reforma do governo federal para criar condições de 5 milhões de empregos novos no País.
Após aumentar 15,9 pontos entre maio e setembro, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), nesta terça-feira (20), recuou pela terceira vez consecutiva em dezembro, 3,1 pontos na comparação com novembro, fechando o ano em 50,5. É a mais baixa pontuação em cinco meses, e o resultado está muito próximo da marca neutra de 50 pontos, que separa a presença da ausência de confiança.
A greve dos auditores fiscais da Receita Federal, que vem prejudicando a movimentação das aduanas do Rio Grande do Sul, já causou um importante impacto para o setor industrial. A avaliação da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) é reforçada por um levantamento realizado junto a empresas de diversos portes no Estado. A maioria das indústrias (87,5%) revelou que está sendo afetada pela greve.
O penúltimo mês do ano registra a volta de uma visão pessimista dos empresários no Estado. A Sondagem Industrial, levantamento realizado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) e divulgado nesta quinta-feira (24), aponta que o indicador de expectativa de demanda caiu para 48,8 pontos em novembro, contra 52,8 em outubro, revelando projeção de queda após cinco meses. Os indicadores variam de zero a 100 pontos. Valores menores que 50 significam perspectiva de queda para os próximos seis meses.
Pelo segundo mês consecutivo, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) nesta quinta-feira (17), registra acomodação, ao fechar em 53,6 pontos em novembro, praticamente o mesmo de outubro (53,5). Esta estabilização, após uma recuperação acelerada entre maio e setembro, mostra que as condições seguem difíceis e o otimismo perde fôlego.
O terceiro trimestre do ano encerrou com um cenário negativo para o setor industrial gaúcho, aponta a Sondagem Industrial do RS, divulgada nesta quarta-feira (26) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). Os empresários ouvidos na consulta apontaram elevada insatisfação com a margem de lucro operacional (35,8 pontos) e com a situação financeira (41,1), além de grandes dificuldades de acesso ao crédito (30,6 pontos) e aumento dos preços das matérias-primas (58,3).