AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

pesquisa

Ao atingir 52,9 pontos em agosto, o índice de produção da indústria gaúcha puxou o crescimento da atividade do setor no Estado. Foi a mais expressiva elevação mensal desde fevereiro de 2014, quando havia alcançado 54,2 pontos, aponta a Sondagem Industrial, divulgada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) nesta quinta-feira (29). Emprego, com 47,1 pontos, também apresentou uma leve melhora no mês (46,3 pontos em julho), embora continue a revelar queda por seguir abaixo dos 50 pontos.
 
Embora tenham apresentado queda na relação com o mês anterior, os índices de produção (47,5 pontos) e o de número de empregados (46,3), revelam que a expectativa dos empresários gaúchos para a economia avançou em julho, aponta a Sondagem Industrial, divulgada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), nesta quarta-feira (24).
Ao subir pela quarta vez consecutiva em agosto, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS) atinge 52,7 pontos e revela que, depois de 29 meses, a indústria gaúcha recupera o otimismo. Em 2016, desde maio, o ICEI-RS, elaborado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), aumentou 13,2 pontos.
 
A indústria do Rio Grande do Sul fechou o semestre com uma queda de 6,7% no Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) na comparação com os seis primeiros meses do ano passado, divulga a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), nesta terça-feira (2). Em razão disso, e em uma sequência de dois anos de perdas, o nível de atividade no primeiro semestre de 2016 é o menor para o período em 17 anos.
 
O cenário de crise econômica no Brasil, que torna o crédito mais caro e restrito e, consequentemente, cria grandes entraves para a obtenção de capital de giro, aumentou o endividamento e as dificuldades financeiras das empresas gaúchas.
 
O Serviço Social da Indústria (Sesi) é a instituição mais lembrada no Brasil quando o assunto é saúde e segurança do trabalho. É o que mostra pesquisa do Instituto FSB Pesquisa com 500 médias e grandes empresas feita entre outubro de 2015 e fevereiro de 2016. O Sesi foi apontado espontaneamente como referência no tema por 20,5% dos gestores entrevistados.
O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS) divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), nesta terça-feira (19), manteve a trajetória de recuperação e alcançou 50,2 pontos em julho. Foi a terceira alta consecutiva, e ao superar levemente a linha dos 50 pontos, encerra um ciclo de 27 meses de falta de confiança no empresariado gaúcho. Em junho, ele havia chegado a 46,3 pontos. “Aos poucos, a expectativa é de que possa haver uma reversão no atual cenário recessivo no País.
Apenas as compras industriais subiram (1,6%) entre abril e maio nos seis indicadores avaliados pelo Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) elaborado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). Com isso, o IDI-RS caiu 2,3%, com ajuste sazonal, a terceira queda consecutiva, levando o indicador a novo piso da série iniciada em janeiro de 2003. “Os números de maio não alteram o quadro de recessão que acompanha o setor industrial gaúcho.
O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS) cresceu, em junho, pelo segundo mês consecutivo. Pulou de 42,1, em maio, para 46,3 pontos, aponta a pesquisa divulgada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), nesta terça-feira (21). Nos últimos dois meses, o ICEI-RS acumula alta de 6,8 pontos, o maior patamar desde junho de 2014, mostrando que o pessimismo dos empresários, presente há 27 meses consecutivos, diminui.
O mês de abril registou nova queda na atividade industrial gaúcha em relação a março, e as expectativas para os próximos seis meses se deterioram entre os empresários ouvidos na Sondagem Industrial, divulgada nesta segunda-feira (30) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). O índice de produção ficou em 40,8 pontos (caindo 10 pontos na comparação com o mês anterior) e o de emprego, em 43,3 pontos (era 46,2). O ciclo de fechamento de postos de trabalho completou dois anos.