Você está aqui

O Sindicato das Indústrias de Vidros, Cristais, Espelhos, Cerâmica de Louça e Porcelana no Estado do Rio Grande do Sul (Sindividros-RS) completa 80 anos dedicados à representatividade do setor. No início de sua história, o Sindicato era formado por empresas que realizavam acabamentos em vidro de forma manual, e que, em 22 de novembro de 1941, se uniram para defender os interesses do setor.

 

 

O presidente do Sindicato, Rafael Ribeiro, destaca o desenvolvimento conquistado ao longo desses anos e o protagonismo junto às associadas e parceiras. "Sempre buscamos levar aos públicos de interesse do Sindividros-RS os valores que norteiam a nossa atuação, como a qualificação, a responsabilidade socioambiental e o compromisso com resultados", exemplifica. Hoje, cerca de 70 indústrias do segmento estão em atividade no Estado.

A comemoração dessa trajetória foi marcada por uma homenagem em solenidade na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, proposta pelo deputado Ernani Polo, no dia 22 de novembro. "Desde quando nascemos, até quando partimos, temos uma interação contínua e forte com o vidro", destacou Polo. Ele lembrou também que o setor vem acompanhando as inovações tecnológicas e a relevância sustentável do vidro – material 100% reciclável. "Este é o nosso reconhecimento para aqueles que contribuem para a geração de emprego e renda no nosso Estado", justifica.

Ribeiro agradeceu a homenagem e destacou que, ao longo dos últimos 80 anos, a indústria se tornou altamente capacitada, com altíssimo grau de tecnologia, inovação e automação. "Partindo da matéria-prima ou produto de base, fabricada por grupos multinacionais presentes em outros estados, nosso parque fabril de processamento vidreiro, atualmente, equipara-se em tecnologia às mais desenvolvidas indústrias vidreiras mundiais", comemora.

Homem de lado, com microfone em frente

Clique aqui  para acessar o vídeo da cerimônia.

Uma placa de homenagem foi entregue a integrantes da diretoria do Sindicato. O ex-presidente da entidade e atual vice-presidente da FIERGS, Gilberto Ribeiro, participou do evento, bem como outros representantes do Sindividros-RS, integrantes da Associação Brasileira das Indústrias de Vidro (Abividro), da Associação de Arquitetos de Interiores do Estado do Rio Grande do Sul (AAI-RS),e da Sul Eventos - promotora da Feira Internacional Construsul.

Dez pessoas enfileiradas lado a lado seguram uma placa de homenagem aos 80 anos do Sindividros-RS

Na sequência, os homenageados se reuniram em um jantar de confraternização, que contou com a presença do presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry. “Planejávamos a comemoração há cerca de 2 anos, mas veio a pandemia. A expectativa era fazer um evento maior, presencial. Ficamos muito satisfeitos com a homenagem da Assembleia, mas não fechamos as portas para outra comemoração. No ano que vem, quem sabe”, projeta Rafael Ribeiro. 

Crédito das fotos: Dudu Leal

Confira a entrevista concedida pelo presidente do Sindividros-RS, Rafael Ribeiro, ao Blog da Unisind:

Qual a representatividade do setor para o RS?

No início dos anos 40, tínhamos no Estado algumas empresas que já trabalhavam com vidro, em um modelo bem arcaico. O segmento foi se desenvolvendo e, hoje, o vidro como matéria-prima, como produto base, é fabricado por poucos grupos multinacionais no mundo.  Também por isso é um segmento bem desenvolvido, por que são indústrias de alta capacidade de investimento. No Brasil, temos quatro grupos fabricantes de matéria- prima – um nacional e 3 multinacionais. Já as empresas de transformação, setor no qual se enquadram as indústrias do nosso Estado, são as que transformam matéria-prima no produto final: vidro de segurança, temperado, laminado, uso residencial, automotivo, entre outros. O produto foi se desenvolvendo e a transformação ao mesmo tempo.

Por volta dos anos 90, com a abertura do mercado brasileiro para importação, empresas locais começaram a se equipar e efetivamente industrializar de uma forma mais desenvolvida o produto. Antigamente, só em São Paulo se conseguia vidro de segurança, por exemplo. No RS, se aguardava 90 dias para chegar o produto. Hoje, as possibilidades são enormes. Com o passar desses anos, as indústrias de transformação chegaram num nível tecnológico equiparado às melhores indústrias europeias. 

 

Qual o principal foco atual do Sindividros-RS nessa gestão?

Primeiro, sempre atuar na defesa dos interesses da categoria, mantendo aquela observância em nível de concorrência de outras regiões – questões mais estratégicas e fiscais, vamos dizer assim. Em segundo lugar, o desenvolvimento da cadeia com relação a treinamentos. Muitas das indústrias do Estado que atuam na construção civil comercializam o seu produto para vidraçarias, ou seja, o comércio. Então, elas não fazem parte do escopo do nosso sindicato. Mesmo assim, prestamos um serviço de treinamento para essas vidraçarias. É uma forma de elas estarem capacitadas a consumir os produtos fabricados pelas nossas indústrias. Geramos informação e treinamento para potenciais clientes que consomem o nosso produto. Outro ponto envolve o meio ambiente, atuamos no desenvolvimento dos nossos associados nesse sentido.

 

Dentro desse braço de qualificação está o Programa Qualividros?

Sim, é um programa amplo. Atuamos na qualificação em quatro focos.

  • Acadêmico: procuramos fazer um trabalho junto às escolas de formação de engenharia, arquitetura, design e áreas relacionadas.
  • Especificador: apresentar o potencial e as novidades da indústria para os profissionais de engenharia e arquitetura.
  • Vidraceiro: qualificação de instaladores,  apresentando materiais, novidades e técnicas, eles atendem o consumidor final.
  • Indústria: foca em estar por dentro das novidaes das usinas, interagindo com especificadores e vidraceiros.

Também atuamos fortemente na qualificação das indústrias associadas, por meio de treinamentos para as equipes próprias das empresas.

 

Uma mensagem para os associados e representantes do setor:

 

A mensagem que eu deixo, incluindo e aproveitando esse reconhecimento da Assembleia, é de motivação. Precisamos continuar desenvolvendo o sindicato e apostando no mercado do Rio Grande do Sul. Também é de chamamento para os integrantes do setor continuarem presentes, em nível de diretoria e associados, participando e apoiando o Sindicato, porque apenas unida nossa categoria se tornará cada vez mais forte.

quarta-feira, 24 de Novembro de 2021 - 15h15

Deixe um Comentário

CAPTCHA
This question is for testing whether or not you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
1 + 11 =
Resolva este problema matemático simples e digite o resultado. Por exemplo para 1+3, digite 4.