AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

indice

A instabilidade política, que provoca incerteza em relação à aprovação das reformas trabalhista e da Previdência, abala a confiança do industrial gaúcho. O resultado é detectado no Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado nesta quarta-feira (21) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS).  Na passagem de maio para junho, caiu 2,9 pontos, chegando a 52,7.

A atividade do setor secundário gaúcho começa o segundo trimestre de 2017 em baixa, aponta o Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS), divulgado nesta terça-feira (6) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). Em abril, na comparação com março, o IDI-RS caiu pela segunda vez consecutiva (-1,2%), na série com ajuste sazonal. O nível de atividade no quarto mês do ano foi o segundo mais baixo da série iniciada em 2003, o que pode ser explicado, em parte, pelo calendário: abril teve cinco dias úteis a menos do que março.

O ano começa com o Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) em queda, um recuo de 3,2% em janeiro, de acordo com os dados dessazonalizados. O resultado anula os avanços obtidos em novembro e dezembro de 2016 e leva o IDI-RS de volta ao piso da série histórica, iniciada em 2003. “O primeiro mês de 2017 revela que o quadro mudou, mas ainda é de muitas dificuldades para quem investe e produz neste País.
As reações positivas em novembro e dezembro não foram suficientes para a indústria gaúcha reverter as perdas no decorrer de 2016. Conforme pesquisa da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), divulgada nesta segunda-feira, o Índice de Desempenho Industrial (IDI/RS) encerrou o ano com 5,9% de retração. “A atividade industrial recuou a patamares do ano 2000.
Após aumentar 15,9 pontos entre maio e setembro, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), nesta terça-feira (20), recuou pela terceira vez consecutiva em dezembro, 3,1 pontos na comparação com novembro, fechando o ano em 50,5. É a mais baixa pontuação em cinco meses, e o resultado está muito próximo da marca neutra de 50 pontos, que separa a presença da ausência de confiança.
Dos seis componentes do Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS), o indicador divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) que mede a atividade do setor no Estado, apenas a massa salarial registrou expansão em setembro, na comparação com agosto: 0,5%. Todos os demais caíram, com destaque para o faturamento real das empresas, 16,8%. As horas trabalhadas na produção recuaram 1,5%, as compras, 0,9%; e o emprego, 0,4%, enquanto a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) baixou de 77,8% para 77%.
Após uma queda de 2,7% em julho, o Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) recuperou parte das perdas ao crescer 1,6% em agosto, descontados os efeitos sazonais, na comparação com o mês anterior. O resultado, divulgado nesta quarta-feira (5) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), confirma a tendência de acomodação da atividade no Estado nos últimos meses.
Ao atingir 52,9 pontos em agosto, o índice de produção da indústria gaúcha puxou o crescimento da atividade do setor no Estado. Foi a mais expressiva elevação mensal desde fevereiro de 2014, quando havia alcançado 54,2 pontos, aponta a Sondagem Industrial, divulgada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) nesta quinta-feira (29). Emprego, com 47,1 pontos, também apresentou uma leve melhora no mês (46,3 pontos em julho), embora continue a revelar queda por seguir abaixo dos 50 pontos.

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS) de abril caiu 1,4 ponto em comparação a março e 11,2 pontos ante o mesmo mês do ano passado, totalizando 57,3 pontos. O resultado, divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), foi o mais baixo desde julho de 2009 e significou a terceira queda consecutiva. Os números variam de zero a 100 pontos e refletem as condições atuais e as expectativas para o futuro. Superior a 50 pontos é otimismo e abaixo, pessimismo.

O otimismo do industrial gaúcho em novembro teve uma redução de 2,1 pontos em comparação a outubro. Numa escala de 0 a 100 pontos, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI/RS) alcançou o valor de 58,6 pontos. Apesar da redução, o indicador medido pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) apontou que os empresários seguem confiantes em relação à economia brasileira e estadual e com seus negócios.